Resultados do BMW elétrico

Na busca pela sustentabilidade, as empresas automobilísticas estão a cada dia que passa com novas tecnologias de ponta.

Foi assim que a BMW resolveu aplicar o conceito de carro elétrico em seu modelo Mini Cooper, que passou a se chamar Mini Cooper E em sua versão elétrica.

A empresa divulgou o resultado dos testes práticos essa semana. A Oxford Brookes University foi a responsável pela avaliação dos resultados.

Segundo o site da Folha.com, o custo médio para rodar com o veículo por seis meses foi de 60 libras (cerca deR$ 154). As análises foram feitas em parceria com o governo britânico.

Para os testes, participaram 138 pessoas que avaliaram o carro entre 2009 e 2011, percorrendo o total de 415 mil km com o carro, dando uma média de 4830 km percorridos por cada carro.

Especificações:

O carro tem um motor de 206 cv fornecendo 20,8 kgf.m de torque. O mais incrível é que ele é capaz de rodar 240 km com apenas uma carga completa e pode atingir a velocidade máxima de 153 km/h.


XXI Feira Serigrafia Sign

Você sabe o que é Comunicação Visual? Segundo nossa querida Wikipedia, “Comunicação Visual é todo meio de comunicação expresso com a utilização de componentes visuais, como: signos, imagens, desenhos, gráficos, ou seja, tudo que pode ser visto”.

                Está achando estranho um tema desses aqui, onde o foco é Ciência e Tecnologia? Não estranhe. A comunicação visual está cada vez mais presente nesses temas. Ano a ano, a tecnologia invade o cenário das comunicações em todos os ramos, seja ela redes digitais ou papel e lápis.

                Maior exemplo disso é a XXI Feira Internacional Serigrafia Sign 2011, que aconteceu nos últimos dias 20 a 23 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo, capital. Como estudante de engenharia mecânica e tendo meu pai como profissional da área, não poderia perder a oportunidade. Foi o meu segundo ano visitando a feira

, o primeiro foi em 2009, e posso afirmar que sem sombra de dúvidas, as tecnologias evoluíram uns 200% nesse intervalo de tempo. A presença de engenheiros e técnicos do mundo inteiro, inclusive da China, era intensa, mostrando a capacidade de suas máquinas, principalmente as de controle numérico computadorizado (CNC’s).

                A Feira, que se tornou totalmente computacional, hoje é referência internacional para clientes e empresas que querem visualizar um novo cenário de comunicação visual e automatizarem seus processos.

                Considerada como a maior Feira de Serigrafia do Ocidente, nessa área trouxe vários lançamentos de tecnologia tais como flocagem, curadores UV, hot stamp, entre vários outros que você pode conferir em http://www.serigrafiasign.com.br/feira/feira-serigrafia/ .

                A Feira Sign, realizada em conjunto com a Feira de Serigrafia, também trouxe grandes novidades sobre máquinas, equipamentos, produtos, substratos e serviços para Comunicação Visual, Impressão Digital, Sinalização e Setor Gráfico. Confira tudo isso aqui: http://www.serigrafiasign.com.br/feira/feira-sign/ .

                O credenciamento da Feira era gratuito, ou seja, qualquer um que se interessasse sobre o assunto poderia conferir tudo o que aconteceu na feira. Se você perdeu, não se preocupe, ela ocorre todo ano. É só ficar atento no site.


Iluminação Reciclada

O texto abaixo é uma proposta realizada pelo Engenheiro Eletricista Fernando Kiszewsk, sobre seu projeto de realizar a reciclagem de lâmpadas para obter produtos mais econômicos e que tenham o mesmo intuito: iluminar.

Hoje, mais do que em qualquer outro momento, necessitamos com urgência  reciclar idéias e materiais. O projeto iluminação reciclada é a simples aplicação deste conceito.

Nossa proposta trata do  desenvolvimento sustentável na produção de lâmpadas LED aplicadas a iluminação complementar, decorativa e utilitária. Tal proposta é embasada no reaproveitamento de lâmpadas fluorescentes sucateadas, geradoras  de grandes volumes de  lixo elétrico e tóxico.

Mas queremos  mais do que apenas reciclar, desejamos gerar uma nova concepção no aproveitamento destes recursos.

Não nos enganemos, retrabalhar  o lixo  eletrônico/elétrico  que todos nós contribuímos em produzir é um imenso desafio!

Construir lâmpadas  LED  viáveis a partir deste material é inovar  esta tecnologia. Lâmpadas de baixo consumo, acessíveis, menos poluentes e com alguma “inteligência” agregada, certamente anuncia a nova era da  iluminação.

Grande parte (mais de 90%) do  material eletrônico empregado nos reatores delâmpadas fluorescentes compactas apresenta condições de reutilização. Esta “matéria prima”, quando bem incorporada ao sistema produtivo de fabricantes e recicladoras, contribuirá na  diminuição dos custos de produção, podendo  proporcionar uma reciclagem menos onerosa com ganhos ambientais significativos.

Iluminação reciclada  é um projeto embrionário e que está gradativamente evoluindo. Os trabalhos e pesquisas são realizados com investimentos próprios e por conta disso os avanços e aprimoramentos são lentos. A iluminação a LED já é uma realidade, reduzir seus custos e  melhorar resultados ambientais são alguns dos principais desafios desse projeto.

No vídeo “Iluminação Reciclada”, (http://www.youtube.com/watch?v=kPdOuzGk3Mk)  produzido para divulgar este projeto, são apresentados alguns  dos protótiposdesenvolvidos entre outras possibilidades  desse universo.

-Lâmpadas LED coloridas

-Lâmpadas LED para iluminação de emergência

-Lâmpadas LED para iluminação utilitária.

Todas produzidas  a partir da reciclagem  de produtos e conceitos,  proposições desse trabalho. A iluminação a LED sem dúvida é um grande avanço, agora, se ela for de origem  reciclada o avanço será maior ainda!

Venha conosco! Invista nesta idéia e ajude-nos a aprimorá-la!

Intervenções Urbanas

Hoje existe uma crítica muito grande em cima das tecnologias. O mais discutido se baseia no fato de que as pessoas estão se fechando em seu mundo solitário e a comunicação e o contato direto estão se tornando segundo plano na vida como um todo.

[photopress:vf.jpg,full,centered]

Mas nem todas as tecnologias bloqueiam de fato a relação externa entre as pessoas. Foi assim que surgiram as intervenções urbanas digitais. Em 2010 aconteceu na Rua Augusta, um dos mais movimentados lugares noturnos de São Paulo, a Vídeo Guerrilha, organizada pela empresa Visual Farm, sob o comando do VJ Alexis. O evento transformou a Augusta em uma galeria de arte gigantesca que chamou a atenção de todos que passavam na região.

Veja abaixo a vídeo reportagem de Carol Thomé, da Band, sobre o evento:

Mas tudo isso não para por aí.

[photopress:rmc.jpg,full,centered]

Este ano a Visual Farm e o VJ Alexis estão com novidades. Este ano terão apresentações especiais na Rio Music Conference (RMV) que acontecerá de 4 a 8 de março, comemorando o Carnaval 2011. A equipe vai explorar as possibilidades de mudanças visuais no palco Ipanema, por meio de projeção mapeada, técnica que permite o uso de imagens animadas sobre objetos.

  • O RMV é o maior encontro sobre música eletrônica e entretenimento do Hemisfério Sul, o Rio Music Conference é um ambiente para fechamento de negócios, networking entre executivos do mercado, artistas e fãs, difusão de informações e, claro, palco de apresentação para os maiores nomes da música eletrônica mundial. Um pólo de convergência do mercado que coloca o Brasil no mapa mundial dos negócios de música e entretenimento, apresentando o país a players internacionais.

De acordo com Alexis, a solução vem sendo utilizada no mercado de marketing promocional, publicitário e principalmente em eventos, como o Rio Music Conference, porque traz um efeito único e é uma atração à parte em qualquer espetáculo. “Nesse mapeamento computadorizado, a superfície dos objetos serve de tela para a projeção em 3D para, em seguida, o computador calcular como a imagem se ajustará com base nas curvas e reentrâncias dos objetos”, afirma.

Quer coisa melhor do que unir arte e tecnologia em um cenário como o do Rio de Janeiro?

Veja mais vídeos da VisualFarm no canal do youtube:

http://www.youtube.com/user/visualfarm

Agradecimentos: Alan Cruz – Voice Comunicação Institucional

Gerador Nitromagnético

Há algumas semanas atrás recebi em meu e-mail o contato de Marco Antonio Clemente, o inventor do mecanismo “Gerador Nitromagnético”.

Marco vem trabalhando há algum tempo no processo de desenvolvimento de um sistema que possa gerar energia a partir dos conceitos da Física Eletromagnética. Recentemente conseguiu concluir sua invenção e patenteá-la.

A vantagem do uso do equipamento, segundo o inventor, é a capacidade de geração de energia elétrica barata, não poluente, 24 horas ao dia, sendo possível o funcionamento em qualquer região, mesmo nos grandes centros urbano.

[photopress:invencao.jpg,full,centered]

O funcionamento do Gerador Nitromagnetico baseia-se na geração de energia elétrica a partir de movimento mecânico provocado pela repulsão de dois ou mais imãs em oposição e que estão inicialmente bloqueados através de uma blindagem magnética móvel sustentada a supercondutores.

  • Supercondutores são elementos metálicos que são capazes de conduzir electricidade sem qualquer resistência, desde que a uma baixa temperatura (aproximadamente -250 0C, dependendo de elemento para elemento). [1]

Atualmente Marco Antonio busca parcerias para o desenvolvimento e comercialização de seu produto. Para saber mais sobre a invenção e sobre como ajudar na difusão dessa nova tecnologia, acesse o site

www.geradornitromagnetico.com.br

Lá estão postados arquivos explicativos sobre a invenção e também vídeos como esse abaixo, uma apresentação do projeto: